Pensamento

"Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens".
(Fernando Pessoa)

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

O mundo gira!

Não!

Eu não vou me culpar dos erros que eu cometi...
Nem vou me colocar para baixo carregando o peso de uma culpa depositada sobre mim.
Uma culpa que nunca foi apenas minha. Talvez seja menos minha do que se possa imaginar.

Não! Ninguém vai fazer com que eu me sinta lixo descartável. Desses que se usa e joga fora.
Tenho certeza que entre erros e acertos, eu acertei muito também. Eu dei muito do meu melhor. E eu me entreguei de corpo e alma. Eu fui longe, fiz tudo que pude, fiz o que talvez ninguém faria por tanto tempo. Perdoei coisas que outras pessoas não perdoariam se tivessem visto ou ouvido. Relevei tanta coisa. E fui "obrigada" a confiar mesmo vivendo envolta de uma bolha de insegurança... que não fui eu quem criei. Fui cobrada e exigida tantas vezes. Fui criticada e crucificada por pessoas que não conheciam minha história...

...E eu lutei...
Lutei todos os dias contra a insegurança que era presente em atitudes e palavras. Lutei todos os dias tentando ser quem eu não era, para ser alguém que se encaixasse naqueles padrões atribuídos. Tentando dar o meu melhor. Tentando encontrar um caminho... E esse sim foi o meu maior erro... Esse sim é meu arrependimento!

Não! Eu não estou ficando maluca. Talvez eu tenha ficado, por um instante, em um momento de desesperança e falta de lucidez. Pois, quem nunca perdeu a cabeça que atire a primeira pedra. Eu fiquei maluca sim, na tentativa desesperada de fazer enxergar, acordar e me ver com outros olhos. Na esperança de que você não percorresse apenas meus defeitos. Que não me ferisse com tamanha sinceridade, pois como diz o ditado: “sinceridade demais, às vezes também é maldade”.

E eu continuei ali, nas idas e vindas. Dúvidas. Indiferenças. Até quando ouvia o que eu não queria ouvir....É eu fui tão forte! Tão forte e tão ingênua por acreditar que te faria feliz. Mas era certo que em algum momento minha força viraria fraqueza. Que em algum momento eu iria perder de vez as estribeiras. Eu fui roubada de mim....E não fui mais eu... Vivia sob uma sinceridade descomedida que me atormentava. E agora eu me sinto desmoronada, desgastada por ter doado tanto de mim.

E em troco eu recebo ingratidão...

Não! Eu não vou me importar com os julgamentos que fizerem aqueles que nunca souberam das minhas bagagens e das minhas histórias. Falem o que quiserem, pensem o que quiserem. Pois eu sei de tudo que enfrentei para ser o que sou. E sou... Assumo o que o sou, não fujo do que sou, não me abstenho da minha condição... Não vivo disfarces! Tenho coragem. Não fosse essa coragem, não teria persistido durante tanto tempo.

Meu psicológico foi abalado, isso é fato. E agora eu preciso cuidar disso. Mas... carregar um fardo?! Não! Eu não vou fazer isso comigo. E não é por nada não... É que no fundo, apesar do estrago que ficou, ainda me resta um pouco de amor próprio e vontade de viver.

Pensando bem?! Eu fui além do que qualquer pessoa iria no meu lugar. Por isso: Não! Eu não vou me torturar com essa culpa. Por que quando era cobrada a minha confiança diante de situações embaraçosas eu fiquei ali e me forcei. Sempre tolerando coisas que ninguém imagina. Tudo por que eu acreditei. Em vão... em algo que apenas estava por inteiro... 

Não! Não vou ser transformada em um monstro. Mesmo perdendo a razão. Por que eu sei da minha essência. Das minhas verdades e de tudo, tudo que eu encarei... Não que isso justifique qualquer coisa. Mas cada um sabe da sua batalha não é?

É fato que ainda tem muita bagunça para arrumar, muita coisa para colocar no lugar. Muito defeito para ser trabalho, muita atitude para ser revista. Mas há também uma porção de coisas boas, e essas vão ser maiores do que qualquer outra.

Um dia, tenho certeza, as coisas serão vistas de outra maneira. Por que apesar dos pesares, Deus, lá de cima, viu tudo que eu enfrentei... Ele sabe das minhas lágrimas e lutas diárias. Do quanto meu coração vivia apertado...

Azar é de quem não é capaz de amar. Azar é de quem não consegue perdoar. Azar é de quem não consegue ver qualidades. Azar é de quem se isenta. Azar é de quem tem medo. Azar é de quem desiste. Azar é de quem não se permite. E azar é que um dia a ficha cai...

E para quem julga sem ter enfrentado tudo que enfrentei eu digo apenas:
O mundo gira brother! O mundo gira!


 ;)

FIM
Carol Brunel

12/02/2016

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Eu....

Eu....
Tão eu quanto eu posso ser
Eu que já acertei, que já errei, que já fui, que já fui você.
Eu que sou eu, que sou minha, que sou nossa.
Sou carne e osso. Pele e coração.
Erros. Chances. Tropeços. Perdão.
Eu que sou amor. Que sou cor, sou sabor.
Eu que sou paixão.
Sou bagunça, carinho, imperfeição.
Eu que me entrego, liberto, mergulho.
Sou quem eu sou. Amo quem sou.
Mas ainda não sou quem gostaria.
Eu que ainda falo bobagens.
Que ainda perco o tino. Que ainda saio do trilho.
Eu que me culpo das culpas que não são minhas.
Que oculto o que for preciso para ver alguém sorrir.
Que ajudo mais do que posso, para me sentir feliz.
Tão eu quanto eu posso ser.
Tão eu quanto eu ainda quero ser.
Tão forte e tão fraca.
Tão eu..
.
FIM

Caroline Brunel

02/02/2016

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Eu supero e agradeço!

Nos últimos anos acredito que aprendi um tanto de "lições" que precisava.. E sei que sempre virão outras lições, pois a vida é uma constante evolução.... Mas acho bacana conseguir fazer essa análise da vida e ver mudanças positivas. Algumas pequenas, outras grandes, algumas necessárias e outras involuntárias, mas todas elas com certeza significativas. Talvez ainda não tenha conseguido alcançar o que esperava, talvez ainda leve um tempinho até conseguir, e certamente ainda vou levar uns tapas na cara. Certamente virão alguns tropeços e decepções. Mas o importante é conseguir olhar para dentro de si e assumir os próprios defeitos, os próprios erros... Olhar para as experiências vividas e partir daí procurar ser alguém melhor para si e para os outros. Fazer a parte que me cabe no mundo "melhor" que eu espero. No mundo de amor que eu sonho. E se os outros não fizerem a sua parte? Não importa! Isso é um problema deles e não meu... É nisso que eu acredito. É assim que vou continuar minha caminhada! Tenho convicção de que as pessoas que passam na vida da gente sempre trazem lições e ensinamentos. Até mesmo aquelas que nos prejudicam ou nos trazem dor. Tenho certeza de que nossas atitudes e nossos julgamentos (sejam eles bons ou ruins) são refletidos no espelho da vida para nos mostrar nossas injustiças (sim todos já cometemos ou vamos cometer). Há quem ainda sopra perfeição, geralmente são os que mais precisam olhar para dentro... E embora às vezes as pessoas nos apontem dedos ou nos vejam de um jeito distorcido... O importante é a gente saber das nossas essências. Tenho muito amor pela vida e muito amor para dividir... E é esse amor que eu quero compartilhar com as pessoas e com quem esteja disposto a viver verdadeiramente o amor. Na sua integridade... Sabendo que mesmo no amor... existem altos e baixos. Mas que "baixo" nenhum seja capaz de nos fazer desistir desse sentimento. Meus desejos para 2016? Que seja o melhor possível, para mim e para os meus... Que eu continue fazendo a minha parte, que eu continue evoluindo e que o amor esteja presente. Por que como diz aquela velha frase "metade de mim é amor e a outra também". Termino esse reflexão citando: "Sou quebra-cabeça de 500 mil peças, quem não tiver capacidade, tenta um jogo mais fácil. Eu supero e agradeço." 
FIM! 

Carol Brunel 


segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Sobre o que eu quero sentir e viver!



Quero manhãs tranquilas, boas risadas e café quentinho.
Noites estreladas e momentos bem pertinho.
Quero beijos, abraços e cafunés.
Quero calor... Arrepio da cabeça aos pés.
Quero papo cabeça e bom humor.
Paciência, saudade e cobertor.
Quero alma... E para rotina muita calma.
Quero finais de semana, histórias e sorrisos.
Quero música, olhar, diversão.
Carinho, verdade, emoção.
Quero respeito, fins de tarde...verão.
Quero sonhos, voos, inverno.
Quero as quatro estações multiplicadas por anos.
Imperfeições, acertos e enganos.
E quando nada mais fizer sentido... Quero planos.
Certezas, destrezas, proezas.
Quero lua cheia, beira mar, paixão.
E que a força do amor seja maior...
Do que toda improbabilidade.
Do que palavras tolas, do que medos bobos. 
Quero que seja realidade!

“Nada vai me fazer desistir do amor”.

FIM
Carol Brunel

07/12/2015
16:21h

Criciúma/SC


sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Sobre fazer uma relação dar certo...

Hoje eu resolvi escrever sobre um tema que eu não lembro de já ter escrito antes.
Não é poesia, nem reflexão. É apenas meu ponto de vista baseado em observações, o que dá a vocês, leitores desse texto, todo direito de discordar ou concordar.

E o tema do meu texto de hoje é "sobre fazer uma relação dar certo"...

...às vezes, me pego pensando no que faz com que alguns casais tenham relações duradouras e outros não. E é claro que são inúmeros fatores. Tem que ter sentimento e tudo mais. E tem casais que aprendem a se amar com o tempo, tem outros que já sentem aquela "coisa" no começo, como se tivessem encontrado sua alma gêmea. Cada um tem sua história.

Mas na minha opinião esse não é o "X" da questão.

Observando alguns casais que conheço que estão juntos há anos... Penso que seus relacionamentos não são contos de fadas cheios de magia. Imagino que esses casais tenham suas brigas, seus problemas, seus dias de estresse, suas diferenças... etc. Imagino que às vezes até rola um "abuso" da cara do outro, mas que esse abuso passa quando você se imagina sem aquela pessoa na sua vida. Imagino (e sei por experiência própria) que às vezes não é fácil lidar com dificuldades cotidianas, entre outras coisas.

Mas acredito que além do amor existem alguns ingredientes "importantes" que fazem com que essas relações durem tanto tempo:

- Tolerância
- Paciência
- Companheirismo
- Admiração

Tolerância, por que muitas vezes você vai ter que "tolerar" os defeitos do outro, aprender a lidar com manias, engolir o seu orgulho e dizer "ok, me desculpe", até engolir as palavras de vez em quando.

Paciência, para lidar com as diferenças, com os problemas, com as brigas bobas que todo casal tem, com o estresse do dia a dia, com a falta de grana.. e por ai vai...

Companheirismo... E esse eu considero um ingrediente e tanto. Afinal como amar alguém sem parceria? Saber dividir um lugar no sofá na hora do filme. Dividir uma janta num lugar legal. Dividir uma conversa bacana. Aliás, casais que sabem conversar e ouvir um ao outro, com certeza já estão na frente. Tem que gostar de estar junto, de fazer coisas junto, gostar da companhia do outro. E é claro que todo mundo precisa dos seus momentos, seus espaços, seus amigos. Mas casais que sabem apreciar a companhia um do outro... duram mais! Não acham?!

Saca?!?! To falando de parceria. De se sentir feliz estando no meio de um monte de amigos fazendo festa, mas também de se sentir feliz tomando um café a dois, ou jantando, ou até fazendo as tarefas domésticas juntos, ou deitados assistindo TV... sei lá!

E por último admiração!

Admirar....

Admirar as qualidades da outra pessoa ao ponto que seus defeitos se tornem "cabíveis".  Dizem que o amor surge quando aprendemos a admirar o outro,  e que amor sem admiração é amizade. Por que é exatamente a admiração que faz a gente se "encantar" pelo outro. Que faz os olhos brilharem. Que faz com que toda vez que a gente pense em "desistir" a gente se lembre dos motivos que nos fizeram ficar.

Penso que o encanto do amor acaba quando acaba a admiração. Quando a gente não consegue mais ver no outro aquilo tudo que fez a gente se encantar. E muitas vezes nós somos culpados disso. Por que somos relapsos e deixamos de fazer aquelas coisas bobas que fazíamos no começo da relação. Muitas vezes deixamos a rotina tomar conta... Deixamos a preguiça, a falta de companheirismo, a falta de paciência e a intolerância tomarem conta.

Não é um ou outro. São os dois. E se são os dois, é preciso que ambos se esforcem, se admirem, sejam parceiros. É preciso que ambos aprendam a ouvir, tolerar e respeitar.

É aquele casal que topa subir a montanha juntos, ou sentar na beira da praia e ver o mar. É aquele casal que sai com os amigos e se diverte, mas também se diverte tomando sorvete em casa. É aquele casal que aprecia uma boa janta a dois, mas que também aprecia os momentos individuais de cada um. É aquele casal que briga, mas depois faz as pazes por que sabe que ficar bravo muito tempo não vai levar a lugar nenhum.

É aquele casal que ainda consegue olhar o outro, sorrir e pensar "é essa pessoa que eu quero na minha vida por todos os dias que virão"... apesar de tudo, apesar das diferenças, das dificuldades...

Sobre as relações que duram... hoje o meu texto vai ficar sem o "FIM"...


Carol Brunel
27/11/2015







quarta-feira, 25 de novembro de 2015

HOJE UM PENSAMENTO! Por: Carol Brunel

Como cantava meu ídolo Renato: "Tenho andado Distraído... Impaciente!"
Não! Indecisa não, por incrível que pareça tenho vivido uma das fases mais "decididas" da minha vida. Bem resolvida e sabendo muito bem o que quero para mim e meu futuro (embora as coisas não tenham saído como o esperado).

Mas ando sem paciência, especialmente para algumas situações e com algumas pessoas, suas teorias, achismos e excessos de "esperteza"!

 Li uma frase por ai que dizia "Não há nada mais inferior do que gente que se acha superior".

E é fato! Por que gente que se gaba de bonzão não passa de um chato que ninguém suporta. É sério! Quem é que consegue ter saco para gente que vive contando vantagem e discute com todo mundo?

Aliás, palavras não servem para nada se o sujeito não tiver atitude!
E nesse mundo que vivemos tá faltando atitude e sobrando conversa fiada. blá blá bláaaaas...Tá sobrando teoria e faltando prática. Tá faltando modéstia e sobrando prepotência. Tá sobrando individualismo e faltando amor.

Dai as pessoas ficam "pregando" coisas que não praticam, mas esperam que os outros pratiquem! Como assim? O ser humano é mesmo bastante contraditório! Pregador de moral e bons costumes que eles mesmos não tem.

Sério! Ando sem paciência de ver tanta coisa errada acontecendo. De ver tanta gente vendendo uma falsa aparência de "pessoa legal". De ver gente dizendo que é do "bem", mas agindo como pessoa do mal.

Por que é fácil "vender" uma boa imagem de si. Quero ver é fazer o bem na prática. E não estou falando de doar um quilo de alimento no natal, ou ajudar um amigo com conselhos quando ele quebra a cara, nem de dar lugar para um velhinho no ônibus. Isso é moleza!

Tô falando de ser gentil com as pessoas de um modo geral, de tratar bem qualquer ser, de se colocar no lugar do próximo, de pedir perdão, de perdoar, de ser honesto, de ouvir as pessoas. Coisa, aliás, que a gente não faz mais. Não paramos para ouvir ninguém, vivemos nos ritmos malucos das nossas vidas e não temos tempo nem para prestar atenção nas pessoas.Ah... mas queremos ser ouvidos, E queremos ser abraçados, mas não queremos abraçar, e queremos respeito, mas não respeitamos... E por ai vai uma lista de comparativos que poderia encher várias linhas.

Assim como poderia citar uma lista de "boas práticas" que a gente espera que o outro faça, mas a gente não faz. É mais fácil esperar pelo outro né?

Por isso que eu acho as crianças melhores. Elas sabem ouvir e sabem que muitas vezes a gente só precisa de um pouco de carinho e um abraço... De um olhar sincero, um sorriso e uma brincadeira.

É! Acho que adultos estragam tudo. Estragam a vida e o amor!!!

Sei lá!

Tô quase torcendo para um asteroide colidir com a terra e acabar com essa palhaçada.
Por que às vezes eu acho que só começando tudo de novo para quem sabe as coisas entrarem nos eixos... ou saírem de vez... kkkkkkk


Talvez...

FIM

Carol Brunel
25/11/2015
18:32h

Criciúma/SC





quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Dúvidas e Certezas!

...às vezes fico pensando...

Se em meio a tanta turbulência, não seria melhor ter desistido. Não seria melhor ter simplesmente “deixado para lá? ”. Fico pensando por que eu insisti tanto e nas oportunidades que deixei passar por esperar...

Valeu a pena esperar? Valeu a pena sofrer? Valeu a pena tamanha dedicação, doação, entrega...? Será que essa luta que travei comigo mesma vai me trazer coisas boas lá na frente?  Será que valeu a pena deixar de lado minhas convicções e princípios? Será que valeu a pena insistir, mesmo sabendo que eu podia seguir em frente... como eu faria antigamente!

Eu me contrariei. Contrariei meus desejos e contrariei a todas as pessoas que me olhavam e diziam "desiste disso e vai ser feliz".

E ainda estou aqui, sem saber ao certo até que ponto vale a pena meu esforço. Sem saber ao certo se é “sim ou não”.

Passam milhões de dúvidas na minha cabeça. E poucas certezas...
O que sente? O que quer? Quais são os planos? Existem planos?

Entre dúvidas e algumas certezas, ainda assim eu continuo aqui. Insistindo. Até quando eu não sei. Mas uma coisa é certa. Uma hora eu posso cansar... Alguém pode aparecer e trazer todas as certezas que eu busco e quero.

E... 

FIM

Carol Brunel

19/11/2015