Pensamento

"Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens".
(Fernando Pessoa)

terça-feira, 16 de agosto de 2016

EU ACREDITO NO AMOR

Por mais que me digam o contrário.
Por mais que tentem me provar que tudo isso é bobagem.
Eu vou continuar acreditando na minha verdade.
E a minha verdade é baseada no amor e no perdão...
Por mais que me digam que é insensato.
Que se entregar é uma loucura,
Que o amor é coisa de fracos,
Que ser sensível é um equívoco...
Ainda assim eu vou continuar acreditando...
Acreditando na minha loucura.
Vou continuar seguindo meus instintos e meu coração.
Vou seguir acreditando e vivendo no amor.
Por que o amor é para os fortes.
Fracos é que desistem do amor.
Os fortes amam...
O amor não precisa fazer sentido.
Não precisa ser perfeito.
Ele só precisa existir...
Então por mais que me venham com teorias conspiratórias,
Ou que tentem me colocar para baixo...
Ainda assim, eu vou continuar acreditando. Até o FIM!

FIM
Carol Brunel

16/08/2016

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Somos de carne e osso!

O problema da autoajuda e desses trilhões de fases prontas diárias é que criam a falsa ilusão de que devemos estar sempre bem, sempre pulando de alegria, sempre dispostos... como se a gente estivesse numa propaganda de refrigerante. 

Ok! Tudo bem eu sei que a autoajuda realmente "ajuda" muita gente. Aquele conforto de ler algo que você estava precisando em um momento ruim, e que parece que foi feito para você.

Muitas vezes cai o texto certo na hora certa na sua frente e "puts... como é que não pensei nisso antes". 

Mas muitas vezes faz você acreditar que não pode ter um dia triste, que não pode se sentir mal, que não pode ficar zangado. Então alguém me diz... que ser humano de carne e osso consegue estar sempre bem? Pois eu respondo: Nenhum! É humanamente impossível a gente não ficar irado, não ter um dia sem “paz interior”, sem paciência, sem vontade...

Tá bom! Eu sei que tem gente que é assim todo dia, sem paciência, sem vontade, ranzinza, amargo... Mas ai é outra história. E azar da pessoa que é sempre assim né?! Uma hora ninguém mais aguenta.

Agora nós, meros mortais, muitas vezes teremos nossa paz roubada sim, sofreremos de alguma ansiedade, agiremos de maneira estúpida, perderemos o tino, seremos bipolar, ficaremos nervosos, indispostos, tristes, cansados e até amargos em algumas situações.

E vai passar... Vai passar por que é absolutamente natural a gente ter dias ou momentos assim. Então não precisamos nos preocupar excessivamente com isso. Não precisamos ser de ferro! 

O que não pode é ser impaciente, estúpido, amargo, chato, zangado, triste.... todo dia...Ai sim, tem que procurar ajuda consciente e buscar melhorar, com autoajuda, terapia e tudo que for possível...


Abraços

Carol Brunel


quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Fomos feitos para amar

Feito a luz que ilumina,
Brilhante, grande, celeste.
Grandes olhos que te miram.
Admiram o viver.
É no jeito que se move,
Comove, envolve.
E é quando se descobre,
Que o que sempre buscou...
Estava ali, estava lá, está aqui.
São os contornos de todo movimento.
Cada parte a decifrar.
Por quê foi que veio?
Como foi que entrou?
São perguntas e respostas.
Mas eu deixo aberta as portas...
De onde vai morar.
Arrebatando os momentos,
Feito o sol que irradia,
Mil poemas e poesias.
Fomos feitos para amar.

FIM
Carol Brunel

03/08/2016

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

MUDE!


Abrindo uma exceção aqui no BLOG.  Hoje vai um texto que não é meu...


Para ter relacionamento saudável com as pessoas é preciso discernimento. Discernimento no sentido de autopercepção. Isto é difícil para muitos porque a tendência é funcionarmos no automático. O que é funcionar no automático? É fazer as coisas no dia a dia sem muita percepção da própria conduta, do jeito de falar, dos motivos para agir, dos espaços que ocupa. Parece que isto é o normal, não é?

Será que é mais fácil funcionar no automático? Será que exige menos esforço mental? O contrário de agir no automático significa ter consciência de si, pensar no que você está pensando, no que está dizendo para as pessoas, pensar de que forma o seu comportamento afeta o comportamento nos outros. Dá trabalho isto? Muito!

Mas não é possível ter saúde mental sem discernimento ou percepção da própria conduta. Viver o tempo todo no automático é estar fechado para esta percepção. Será que as minhas ações e reações não me conduzem a consequências indesejáveis? E também, claro, viver o tempo todo na autopercepção pode prejudicar a espontaneidade e a soltura nos relacionamentos. Não é questão de entrar em paranóia. 

Mas a reflexão ajuda muito a entender quem somos e como funcionamos socialmente. Mas quem quer refletir sobre seu próprio comportamento numa sociedade carregada de relacionamentos descartáveis, inundada de impulsividade, cheia de modelos doentios na mídia, e reagindo agressivamente com facilidade?

A aceleração prejudica a concentração. Tentar absorver informação demais. O mundo está acelerado e cheio de precocidades. Outro dia chegou às minhas mãos uma propaganda impressa de uma empresa de jóias com uma menina toda maquiada e cheia de jóias. Uma imensa artificialidade, uma tristeza, um adulteração da beleza natural de uma criança!
Vivemos na era do sexo precoce, independência dos pais precoce, menstruação precoce, alcoolismo e outras dependências químicas precoce. 

Para uma pessoa melhorar, ela precisa parar e pensar. Procurar amadurecer. Aprender a refletir e, sendo honesto(a) consigo mesmo(a), tentar discernir os motivos que levam a envolver as pessoas nos problemas ou desejos pessoais. É possível continuar a ser uma pessoa expansiva, comunicativa, sociável, sem invasão, sem manipulação, sem estupidez.

Sejamos educados e observadores, onde quer que estejamos. Saibamos ter discernimento. Saibamos ser convenientes quando estamos sendo inconvenientes. Tenhamos senso coletivo. Vamos praticar um pouco de etiqueta. Por que não? Não ser espaçoso, não ser indelicado, não ser invasivo, se limitar respeitando a si mesmo e ao outro, não tentar derrubar o outro, ter bom senso, não ultrapassar os limites da intimidade do outro. 

Não se trata de egoísmo. Estamos falando também sobre ter limites para certas posturas que nos são desconfortáveis – e isso pode vir tanto de colegas de trabalho, amigas (os), vizinhos e até mesmo parentes. E a intimidade, que está incluída neste espaço limitado, “é essencial para o equilíbrio psicológico de qualquer ser humano”.

Como sempre, o equilíbrio é o melhor caminho. E é preciso coragem para praticar estas coisas. Mas praticando, poderá se tornar uma pessoa mais confiável, mais serena, mais ponderada, menos “cheguei”, mais fácil de conviver, mais aceita, e não é bom isto?

A decisão para mudar o que se é, é pessoal. Ninguém muda ninguém. O médico, psicólogo, conselheiro, não muda o paciente. Não temos poder para isto. Na próxima vez que surgir na mente da pessoa “espaçosa” uma brecha no jeito de funcionar no automático, e ela conseguir refletir sobre como está funcionando com as pessoas, deverá aceitar a luz que virá dizendo o que precisa mudar. E mudar. Assim a saúde mental melhorará, independentemente se as pessoas ao redor fizerem isto também ou não.





Dr. Cesar Vasconcellos de Souza, médico psiquiatra e psicoterapeuta, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, membro da American Psychosomatic Society, consultor psiquiatra da revista Vida & Saúde onde mantém coluna mensal, professor de Saúde Mental

terça-feira, 5 de julho de 2016

Da série: Notas Sobre Ela

About me...

Ela não curte hipocrisia e não finge amizade com todo mundo só para dizer que tem muitos amigos. Ela prefere os poucos e bons amigos. É seletiva! Prefere qualidade a quantidade. Sempre diferencia colegas e companhias de festa, dos amigos verdadeiros.

Ela não gosta de nada que parece forçado, tipo aquelas pessoas que saem sorrindo e abraçando todo mundo como se tivessem intimidade com o mundo inteiro. Esse tipo de gente lhe causa arrepios ruins.

Ela não quer amizade por conveniência, ela será sua amiga se você realmente tocar o coração dela de alguma forma, se ela ver pureza e verdade no seu olhar. Ela sente cheiro de falsidade de longe.

Aliás, ela ama tudo aquilo que toca seu coração: música, abraços, beijos, pôr do sol, natureza, passeios, namoro, filmes e mais uma grande lista pequenos prazeres.

Ela é fã dos pequenos prazeres, dos detalhes, da delicadeza, dos olhares, de um simples segurar a mão.

Ela é fã da naturalidade, da simplicidade, da humildade. Ela gosta de intensidade. Gosta de viver os momentos como se fossem únicos. Por que ela sabe que são...

Ela tem o sexto sentido apurado. Consegue captar sensações nos ambientes e até sentir as energias boas e ruins. As ruins lhe deixam fora do eixo. As boas lhe fazem sorrir...

Ela gosta de equilíbrio e tranquilidade, mas precisa de quem lhe ajude a manter-se assim. Aliás, ela ama quem sabe lhe fazer sentir em paz. Quem consegue lhe deixar segura e tranquila. 

Ela é oito ou oitenta mesmo. Vai ou racha. Não gosta de coisas mornas ou meio termos. Ela é do tipo indecisa, mas ela sabe bem o que quer da vida. Nada de ficar em cima do muro.

Ela não suporta palavras rudes, friezas e indiferença. 

Ela ama plantas e bichos, mas sobretudo, ama pessoas... e quando dedica seu amor a alguém, dedica de corpo e alma. Ela não tem medo de amar. Não tem medo do compromisso. Não tem medo de se pertencer e ainda sim 'pertencer' a alguém.

Ela não sabe fingir ou esconder quando está triste. Ela chora. É manteiga derretida. E ela vai te falar do que não gosta. Vai te falar do que não quer ouvir. Vai te falar sobre o que lhe incomoda. Por que sua alma é transparente.

Ela é sensível. É carente. É romântica. É carinho. É paixão. Ela ama viver!

Ela não se esconde, não se oculta, não tem medo de ser feliz. Ela vai te falar a verdade, mesmo sabendo que vai doer. Por que ela acredita que isso vai te ajudar.

Ela odeia críticas, mas sempre se analisa quando é criticada. Ela vive tentando ser melhor, tentando se moldar, tentando se ajustar. Ela acredita que estamos nesse mundo para evoluir. 

Ela não guarda rancores e mágoas. Ela perdoa, ela esquece e segue em frente.
Não perde tempo da sua vida remoendo dores e decepções. 

Ela gosta mesmo é de sorrir, da paz e do amor!

Notas sobre ela! 
Feitas por mim.... sobre mim!

FIM
Carol Brunel

05/07/2016

terça-feira, 28 de junho de 2016

O que se faz com o coração

Li por ai: “O que se faz com o coração, nunca é obrigação”.

Entendi: O que se faz com o coração é sentir!

O que se faz com o coração é prazeroso, é leal, é sincero.

O que NÃO faz com o coração é amargo, insatisfeito.

O que NÃO se faz com o coração é falso, é entediante... E é obrigação!

O que se faz com o coração, é deixar ele bater.

É deixar ele vibrar, é viver, é querer.

A saudade, a verdade, a vontade de quem quer.

O que NÃO se faz com o coração é doer...

O que se faz com o coração é amar!

E amor não é obrigação não, mas ele deixa a vida melhor.

E se temos o existir e o sentir, 
por que sentir coisas ruins?  

O que se faz com o coração é bom!

É onde eu quero estar...

Então que a gente possa ser mais coração.

Essa é a minha oração!

FIM
Carol Brunel

28/06/2016